57% das empresas exportadoras sofreram efeitos negativos da crise do coronavírus, aponta CNI

Levantamento realizado entre 2 e 10 de junho consultou 197 empresas exportadoras; 32% informaram que vendas não foram afetadas e 8% disseram que aumentaram.

Levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) indica que 57% das empresas exportadoras tiveram as vendas ao exterior "afetadas negativamente" pela pandemia do novo coronavírus, enquanto 8% registraram aumento nas vendas para o exterior. A CNI questionou as empresas sobre o "efeito da pandemia sobre a atividade de exportação até o momento".

Os resultados foram: 'Foi afetada negativamente': 57%; 'Não foi afetada negativamente': 32%; 'As exportações aumentaram': 8%; 'Não sei': 3%. De acordo com a CNI, a pesquisa foi feita entre os dias 2 e de junho e consultou 197 empresas exportadoras, importadoras e investidoras no exterior.

O resultado abrange os meses de abril e maio. Balança comercial mostra queda de exportações e importações Outros resultados Segundo a CNI, 40% das empresas informaram que a queda nas exportações foi superior a 50% no valor das vendas. Em relação à expectativa das empresas exportadoras para os próximos dois meses, os resultados foram: 'Será afetada negativamente': 36%; 'As exportações foram afetadas no início da pandemia, mas estão se recuperando': 29%; 'Não será afetada negativamente': 20%; 'Não sei': 10%; 'As exportações aumentarão': 5%. Com relação às empresas importadoras, 70% afirmaram que foram afetadas negativamente pela pandemia do coronavírus nos meses de abril e maio, enquanto 2% disseram que as importações aumentaram.

Das empresas que tiveram as importações afetadas 58% importavam da China e 29% dos Estados Unidos. Segundo a CNI, empresas consultadas afirmaram que as maiores preocupações com relação ao impacto da pandemia nas importações e exportação estão relacionadas à redução das exportações e da produção e com o aumento de preço de matéria-prima. Exportações do agronegócio brasileiro crescem 6% entre janeiro e abril
Categoria:Economia